Restauração do Bioma Mata Atlântica

Projeto atual

Foto: Site IFV

Desde a sua fundação, o Floresta Viva busca atuar em rede a fim de aumentar o impacto de suas ações. Em 2009, assinou o Pacto pela Restauração da Mata Atlântica, movimento nacional de organizações públicas e privadas para proteger o que ainda resta deste bioma na costa litorânea.

O Floresta Viva também está comprometido em contribuir com a meta do governo brasileiro de reflorestar 12 milhões de hectares até 2030 (compromisso assumido na COP 21, em Paris). Enquanto estudos direcionam mais claramente como evitar o desmatamento sem comprometer o desenvolvimento econômico, faltam ainda informações de quais são as abordagens mais eficazes para o reflorestamento. Isso é importante, pois comprovou-se que uma floresta em desenvolvimento têm potencial maior de sequestrar carbono do que florestas maduras, ou seja, contribui mais para mitigar os efeitos do aquecimento global.

 

Fotos: Site IFV

Deixar um legado de conhecimento técnico nessa área, tanto do ponto de vista sociológico quanto ecológico, é um dos principais benefícios da pesquisa que está sendo realizada por meio de uma parceria entre o Floresta Viva e a Brown University (EUA). São apoiadores dessa iniciativa a UESC (Universidade Estadual de Santa Cruz), a UFSB (Universidade Federal do Sul da Bahia), o Climate Policy Initiative e a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária).

Qual é o método mais eficaz para reflorestar aproveitando áreas de pequenas propriedades já habitadas? Como os proprietários rurais podem ser agentes ativos e guardiões desse reflorestamento? Como transmitir os conhecimentos adquiridos em larga escala para outras partes do planeta? Estas e outras questões estão presentes no estudo. Ao longo de cinco anos (2016 a 2020), pesquisadores acompanharão o crescimento de 190 mil mudas de 16 espécies nativas, que foram plantadas em 750 propriedades rurais do Sul da Bahia.

O experimento conta com a participação de 3 mil proprietários, que irão receber, durante esse período, assistência técnica e pagamento mensal por serviços ambientais. Um levantamento sociológico busca conhecer quem são essas pessoas, como fazem o manejo da terra, qual é a sua maneira de lidar com o risco, dentre outros aspectos. Ao final, o projeto fornecerá uma base robusta de dados que poderá ser usada para promover melhores práticas de reflorestamento em pequenas propriedades, contribuindo para o desenvolvimento de políticas públicas.

 

 

 

 

 

 

USA